NEWSLETTER [ON]TEM

13/01/2022

Checadores de fato enviam carta aberta ao YouTube

Ops! Algo deu errado. Tente mudar de navegador e inserir seu e-mail novamente.

Grupo de 80 checadores de fatos enviam carta aberta à CEO do YouTube contra desinformação. Na carta, as organizações pedem quatro compromissos da plataforma: 1) maior transparência, incluindo apoio a pesquisas acadêmicas independentes; 2) além de remover conteúdo para fins de conformidade legal, a plataforma deve oferecer contexto a vídeos com potencial desinformação, bem como expor usuários a conteúdos checados. Isso só pode ser feito em parceria com checadores de fato independentes; 3) Maior ação contra infratores recorrentes; 4) ampliar esforços contra a desinformação em outros idiomas que não o inglês. [Lupa]

TiKTok foi o app mais baixado no Brasil em 2021. O app ficou na frente do Shopee (2°), Kwai (3°), Instagram (4°) e WhatsApp (5°). Usuários gastaram, em média, cerca de 20 horas por mês na mídia social em 2021. Isso representa um aumento de 44% em relação à 2020. 

Além disso, o Brasil tem os usuários que mais passam tempo no celular. São 5,40 horas por dia, em média. [App Annie]

Processo contra Facebook pode obrigar venda do Instagram e WhatsApp. Juiz federal que interrompeu processo antitruste contra Facebook para venda obrigatória de WhatsApp e Instagram dá aval para FTC seguir com queixas na Justiça. [Tecnoblog]

Acadêmicos estão sendo processados pela indústria de videogames por tentar preservar obras clássicas. Eles criticam as regulações de direitos autorais para software nos Estados Unidos, afirmando que colocam em risco o “futuro da memória digital”.  [Washington Post]

Nigéria libera Twitter, após banimento que durou cerca de seis meses. A exclusão de publicações do presidente Muhammadu Buhar, em junho de 2021, motivou o bloqueio. [O Globo]

Newsletter diária com as principais notícias do dia anterior sobre tecnologia e sociedade. Enviada toda manhã, de segunda à sexta.